terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Medalha Cinquentenário do Canil da PMESP - 2002

 
  O Canil da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Terceira Companhia do Quarto Batalhão de Polícia de Choque, foi criado em 15 de setembro de 1950.

Hoje o Canil conta principalmente com cães da raça Pastor Alemão, Rottweiler, Pastor belga de Malinois e Labradores, e ainda temos espalhados por todo o Estado de São Paulo vinte e dois Canis Setoriais, que não são subordinados ao 4º BPChq, mas que recebem apoio Cinotécnico e Veterinário do Canil central.

Para servir no Canil, o Policial Militar realiza um curso básico sobre o qual comentei em outra postagem (pode ser visto clicando aqui).

Ficaram famosos algumas ocorrências solucionadas com emprego de cães como no caso em que o cão Dick localizou na Serra da Cantareira, uma criança sequestrada nos anos 50. Na década de 70, um cão foi treinado para localizar vazamento de Gás para a Petrobrás. Com o avanço dos modus operandi da criminalidade, o Canil se especializou através de técnicas inglesas e canadenses na localização de entorpecentes e explosivos.

O canil é empregado também em apoio às outras OPM, à Polícia Federal, Receita Federal e Polícia Civil em operações específicas no combate ao tráfico de drogas, bem como apoia a 5ª Cia/GATE nas varreduras de explosivos e à 4ª Cia/COE na busca de pessoas desaparecidas e captura de marginais homiziados.
          Meu amigo e colega de turma, o Tenente Coronel Carlos Augusto Nepomuceno me autorizou a publicar a bela foto abaixo:

Após os 8 anos de idade, o cão é aposentado, sendo doado ao seu adestrador.

Quanto à medalha em si temos a peculiaridade desta ser a única referente a uma Subunidade na PMESP.
        Novamente se observa que a fita foi feita com tecidos costurados uns nos outros, o que, além de não ser previsto no decreto, compromete a estética.

Medalha criada pelo Decreto Estadual n° 46671 de 08 de abril de 2002.
 
 

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Distintivo do Curso de Mestrado em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública


      Este distintivo se refere ao antigo Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO).

      O  curso é desenvolvido pelo Centro de Altos Estudos de Segurança "Coronel PM Nelson Freire Terra" (CAES - Cel PM Terra), responsável pela realização dos cursos de pós-graduação em sentidos lato e estrito dos Oficiais da Polícia Militar e pelo desenvolvimento de estudos e pesquisas científicas.

      Com o mestrado na área, o Capitão PM, a quem o curso se destina, vai estar habilitado à promoção aos postos de Major e Tenente Coronel na PMESP.

      Esse distintivo tem uma peculiaridade. Ele só é usado no uniforme B-3, sobre o bolso direito da camisa que é de manga curta e clara, próprio para o trabalho do dia-a-dia.

      No uniforme  B-2, mais formal, com gravata e túnica, se usa outro distintivo acima do canhão da manga direita, bordado em azul, conforme imagem abaixo:
 
 
      Neste caso, o distintivo que vai ser usado no peito será o de Bacharel em Ciências Policiais de Segurança e Ordem Pública, que será objeto de futuro artigo.

 

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Medalha do Centenário de Tobias de Aguiar - 1957


Esta medalha não foi feita pela PMESP, mas, pela Secretaria do Governo do Estado, porém, trata-se de uma medalha Oficial sobre uma figura de fundamental importância para a história, especialmente para os militares paulistas.

No centenário da morte do Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, em 1957, criou-se a medalha com a qual foram condecorados todos aqueles que contribuíram no culto à memória do fundador da PMESP.

O Brigadeiro Rafael Tobias de Aguiar, além de político e militar, era também rico fazendeiro em Sorocaba. A ele se deve a criação daqueles vistosos cavalos, pelagem de duas cores, chamada raça Tobiana.

"Servir São Paulo é, sobretudo, antes de tudo e acima de tudo, servir ao Brasil!' Este era o lema do Brigadeiro Tobias que, ao morrer, a 7 de outubro de 1857, a bordo do vapor Piratininga, quando, na qualidade de parlamentar, se dirigia à Corte Imperial.

Seus restos mortais jazem na Igreja da Ordem 3ª, ao lado da Faculdade de Direito Largo São Francisco.

Não confunda esta medalha com a medalha “Brigadeiro Tobias”, completamente diferentes, ainda que tenham a mesma figura como tema.

A medalha "Brigadeiro Tobias" pode ser vista neste link.

Medalha criada pelo Decreto Estadual n° 29712 de 20 de setembro de 1957.


 

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Distintivo do Curso Superior de Tecnólogo de Polícia Ostensiva e Ordem Pública Nível II

 

Este distintivo se refere ao antigo Curso de Aperfeiçoamento de Sargentos – CAS.
O Curso Superior de Tecnólogo de Polícia Ostensiva II é de terceiro grau reconhecido pela Secretaria da Educação e pelo MEC.
Ele é destinado aos 2º Sargentos da PMESP habilitando-os à promoção para 1º Sargento e Subtenente, tem a duração de seis meses e é realizado na tradicional “Escola Superior de Sargentos”.
Meu amigo, o 2º Sargento William Pereira, me questionou a respeito da heráldica da peça o que me fez vasculhar o tema.
Começando de dentro para fora, temos uma figura amarela inserida num triângulo.
A figura, na verdade, é uma caderna, ou seja, um conjunto de figuras semelhantes dando a ilusão de ser uma só.
Neste caso temos uma caderna de quatro luas crescentes. Na natureza, imagem da lua crescente nos dá a certeza de que em futuro breve ela irá crescer e tornar lua cheia.
Em heráldica, por analogia, ela significa esperança, confiança, bons prognósticos.
O campo formado internamente é amarelo (ouro em heráldica), o que significa o valor e a força entre outras coisas.
Tudo isso é inserido num triângulo, o símbolo da futura insígnia de Subtenente a ser usado.
 
           A peça é colocada sobre o bolso direito do uniforme, abaixo da tampa.