domingo, 20 de outubro de 2013

Medalha Centenário do 3º Grupamento de Incêndio - 1997 ... Errada!


Responsável pela segurança contra incêndio e resgate na populosa região leste da capital paulista, o Terceiro Grupamento de Bombeiros tem sua origem na criação da Estação do Norte tendo sido inaugurada em 12 de Janeiro de 1895.
Medalha criada pelo Decreto Estadual nº 41789 de 16 de maio de 1997.
Para afirmar que a medalha está errada me baseio no decreto de criação que diz:
“no anverso, em campo esmaltado de vermelho, um dragão de ouro, e em orla de ouro, os dizeres "CB - CENTENÁRIO - 3º GI" e as datas "1895 e 1995.”
Ainda que posteriormente o 3º GI tenha se transformado em 3º GB, o decreto da medalha não mudou. Até que se mude o decreto acima, a medalha está errada.

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Distintivos dos Cursos de Aviação da Polícia Militar Paulista

 
Neste ano de 2013 a aviação na Polícia Militar paulista completa 100 anos!
         Estudando este fascinante assunto, descobri alguma coisa em relação aos distintivos que esses profissionais usam e usaram.
         Nesta postagem vou abordar os distintivos usados a partir de 1984 até os dias de hoje. 
         Os pilotos da Polícia Militar de São Paulo são formados em escola do próprio Grupamento de Radiopatrulha Aérea “João Negrão” (Escola de Aviação: EsAv).
         Na imagem acima vemos o distintivo de piloto comandante de aeronave, que no mundo civil equivale ao de Piloto Comercial (PC)
       Esse distintivo não foi concebido aleatoriamente. Ele é inspirado no distintivo de voo dos anos 20, imortalizado nas imagens do então Tenente João Negrão, famoso por ter sido tripulante do avião JAHÚ que atravessou o oceano atlântico em 1927:

 
    O distintivo de João Negrão ainda existe, preservado pela família:

        
          Ainda em 1984 foi concebido pelo hoje Coronel Luchesi um outro distintivo que não foi aprovado. Consegui esta imagem dele:

Outro distintivo recém criado trata do aviador que só pode voar como copiloto (também conhecido como 2P), tendo o equivalente ao curso de Piloto Privado (PP) no mundo civil:          

                                      

O Curso de Tripulante de Aeronave também é feito na Escola de Aviação da PMESP.
A ESAv, forma tanto o pessoal que vai trabalhar com as ocorrências de resgate quanto as ocorrências policiais.
Abaixo o seu distintivo:

Abaixo vemos o distintivo do curso de mecânico de aeronaves:


        Comento sobre um antigo distintivo de especialidade em aviação da FPSP em uma outra postagem (clique aqui).
        Abordei também sobre um distintivo de voo comemorativo dos cem anos de aviação da PMESP nesta postagem.



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Medalhão do Jubileu de Ouro da Cruz Azul de São Paulo - 1975


 
Transcrevo aqui o texto do site da Cruz Azul de São Paulo sobre os 74 anos da Cruz Azul:
   "A fundação da Cruz Azul de São Paulo é a prova mais evidente do espírito humanístico que sempre prevaleceu na família policial militar.
    Seu nascimento ocorreu após a Revolução de 1924, tendo em vista que a Força Pública necessitava dar assistência às famílias dos soldados vítimas do sangrento conflito naquele ano.
    A dedicação, pujança e idealismo de um grupo de ilustres senhoras da sociedade paulista e de oficiais tendo à frente o Cel. Pedro Dias de Campos, figura dinâmica e empreendedora, resolveram fundar, em 28 de julho de 1925, a CRUZ AZUL DE SÃO PAULO com o objetivo de proporcionar assistência permanente às famílias dos soldados de corporação. Nestes 74 anos de história, várias foram as realizações desta instituição, como o primeiro Grupo Maternal, cuja diretora foi Dona Josephina de Toledo Barros; o Instituto Infantil, dirigido por Dona Ercília Alves de Campos- o Hospital e Maternidade Santa Maria, inaugurado em 28 de julho de 1935, e sua torre de internação inaugurada em 25 de janeiro de 1976 e a nova Unidade Ambulatorial, inaugurada em 31 de março de 1997 entre outras várias conquistas.
    É importante destacar que a Cruz Azul é também a entidade mantenedora do Colégio de Polícia Militar de São Paulo, que foi fundado em 1978 com o objetivo principal de atender os órfãos e dependentes dos policiais militares, e na medida do possível, atender aos demais setores da sociedade. Em janeiro de 2000, ficará pronta a Unidade II do Colégio da PM, localizada na Zona Leste, com área construída de 7.500 metros quadrados, bem como a unidade de pré-escola, localizada na Avenida Cruzeiro do Sul, com 800 metros quadrados de área construída.
    A Cruz Azul de São Paulo hoje sintetiza os sonhos de grandes idealistas do passado, tornando-os agora uma realidade grandiosa. Cada Diretor, Superintendente, Administrador e funcionário que passou ou que ainda está na Cruz Azul deixou registrado o traço indelével de suas atividades, sempre bem orientadas. Essa obra maravilhosa orgulha São Paulo e a família policial militar."

      Abaixo uma imagem da bem cuidada sede antiga da Cruz Azul:

 
PORQUE O NOME CRUZ AZUL?

Segundo o Coronel Edilberto de Oliveira Melo, nos idos de 1924, em plena Revolução de São Paulo, o saudoso Coronel Pedro Dias de Campos instalou o seu Quartel General no Morro do Cambuci, em defesa da legalidade. Intensos combates no bairro, bombardeios violentos da artilharia inimiga, assaltos às trincheiras, a Igreja de Nossa Senhora da Glória arrasada, muitos mortos e feridos.

Estes eram levados ao Hospital de Sangue, improvisado pelo coronel Pedro Dias, próximo ao seu Quartel General. A Cruz Vermelha, no intuito de ajudar a tropa legal, subiu o Morro para providenciar os sepultamentos e também cuidar dos feridos. Logo que a Cruz Vermelha se desincumbiu da missão e se retirou apressadamente, a artilharia dos revoltosos concentrou seus fogos justamente no local onde estava o grande Comandante Coronel Pedro Dias de Campos. Homem de raciocínio rápido, observou que a Cruz Vermelha havia denunciado a posição estratégica do seu Quartel General.

Nesse instante passou à sua frente uma mulher aflita procurando o seu marido, possivelmente morto ou ferido, acompanhando-a sua filha pequena, vestida de azul. Pedro Dias de Campos não teve dúvidas! Prometeu a si mesmo e ao seu Estado Maior, inspirado no azul do vestido da menina: "Neste Morro criarei a Cruz Azul de São Paulo para educar os filhos dos nossos heróis e cuidar da saúde de nossas famílias".
Como usuário da Cruz Azul de São Paulo, posso dizer que não só tenho a segurança do bom atendimento médico para minha família, como, mais uma vez, posso me orgulhar da capacidade de organização da minha querida PMESP que, através dos seus integrantes, mantém essa organização tão bem estruturada.